Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Tudo passa carago.

E melhor passa se tiver graça.

Tudo passa carago.

E melhor passa se tiver graça.

10.Nov.17

Louis C.K. e Ricardo Araújo Pereira

Sérgio Ambrósio

Imaginem que o maior comediante de Portugal era acusado de conduta sexual imprópria. Imaginem Ricardo Araújo Pereira a ser dizimado na imprensa portuguesa, ele que até é uma das figuras nacionais que goza de maior unanimidade. Imagem o RAP a ser chamado à pedra, não pela sua esposa, relativamente a assuntos de coito ou intimidade sexual, mas sim por outras mulheres.

 

Imaginem a Maria Vieira a contar que, em 2002, quando trabalhava para um programa do Herman, um jovem argumentista das Produções Fictícias se tinha masturbado à frente dela. Imaginem. Imaginem que a Ana Bola vinha dizer que recusou uma proposta do RAP para se masturbar à frente dela. Eu sei que estas metáforas são pouco edificantes, em termos de sensualidade, mas são as actrizes de comédia que temos. Na América, elas são mais giras.

 

E é aí que entra o americano Louis C.K., o Ricardo Araújo Pereira lá do sítio. Com a agravante de ser uma estrela planetar. Agora imaginem o Ricardo Araújo Pereira a aparecer no Correio da Manhã, no Jornal de Notícias, n’O Diabo e simultaneamente no Le Figaro, no New York Times, no The Sun, no La Repubblica e na Folha de São Paulo. Esperem, ele neste último tem aparecido. Risquem a Folha de São Paulo.

 

A notícia do dia é o maior comediante do mundo ser acusado de ser perverso e de ter desrespeitado mulheres ao ponto de lhes ter infligido um trauma. Bem, no caso nacional, a Maria Vieira nem devia precisar disso já que o seu transtorno actual parece ser crónico. Ah, e se a editora do José Rodrigues dos Santos diz que ele é o escritor preferido dos portugueses, eu também posso pôr o Louis C.K. como comediante preferido do mundo todo. Vai buscá-la, Gervais! Mas voltando ao cerne da questão: como lidavam se um ídolo vosso fosse acusado de conduta sexual imprópria? Deixavam de ver os espectáculos dele? Deixavam de ver as séries? Não misturavam a pessoa com o artista?

 

É complicado. Felizmente que, em Portugal, o Ricardo Araújo Pereira jamais será acusado de comportamento indecente para com a Maria Vieira, Ana Bola, Lídia Franco, Maria Rueff ou outra actriz de comédia portuguesa. Isto se houver mais actrizes portuguesas de comédia. Mas não se pense que o RAP é um santo.

 

É que o Ricardo Araújo Pereira abusou selvaticamente de Pinto da Costa, que o meteu em tribunal. RAP violentou sadicamente a honra e a dignidade do Futebol Clube do Porto. E mais: alguma imprensa desportiva e um canal público de televisão pagavam-lhe para ele se masturbar, enquanto cronista, argumentista, actor e apresentador de TV, sobre esses desejos sexuais. O maior humorista português quis fornicar Pinto da Costa e o FC Porto! E, na altura, onde estava a indignação? Ninguém quis saber. Foram hipócritas. E riam-se à descarada.

 

Mas Pinto da Costa é homem que não se fica. O Porto é clube que não quebra quando atacado. E o que fez? Foi-se vingando do Ricardo Araújo Pereira com uns campeonatos, Champions, Liga Europa, título na Luz… Pois é, meus amigos, é melhor pensarem duas vezes antes de acharem que não há humoristas portugueses abusadores. Só que em Portugal a canzana virou-se contra o comediante.

 

Em resumo, Louis C.K. e Ricardo Araújo Pereira não deixarão de ser ídolos para mim. Irei sempre apreciar a vertente artística acima da malvadez e da taradice da pessoa. Ambos, protagonizaram comportamentos reprováveis. Um contra mulheres. O outro contra o FC Porto. Que Deus lhes dê o castigo merecido. O que é pouco provável, visto que ambos são ateus. No caso do Louis C.K. não sei, mas relativamente ao RAP até que já foi castigado recentemente, visto que o Basileia teve cinco orgasmos à custa do Benfica. E há vinganças que não se servem frias, mas sim com uma sonora gargalhada.

2 comentários

Comentar post