Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Tudo passa carago.

E melhor passa se tiver graça.

Tudo passa carago.

E melhor passa se tiver graça.

26.Dez.17

Matar Saudades

Sérgio Ambrósio

Sabe tão bem quando pegamos numa metralhadora e fuzilamos as saudades, não sabe? Porém, isto soa muito mal. Faz-nos parecer o Pablo Escobar que lidera um cartel de emoções e executa inimigos que são apelidados de saudades.

 

Eu não me deveria sentir um assassino que tem prazer em pegar numa catrefada de saudades, executá-las e metê-las numa vala comum. Mas que prazer é este em matar saudades?

 

Nunca pensei que um abraço, um beijo, fossem armas tão poderosas. Mas parece que são. Acho que gestos tão bonitos não deveriam implicar matar nada. Nem mesmo as saudades.

 

Um afecto serviria para jogar as saudades no lixo, para espezinhar as saudades, para mandar as saudades à fava. Mas ninguém diz isto. Toda a gente diz «matar saudades».

 

Somos todos assassinos. Do bem, é certo. Mas não passamos de uma horda de assassinos de saudades. E se alguém se lembrar de criar direitos para a saudade? E um tribunal que puna quem mata saudade? E uma cadeia que albergue todas as pessoas que matam as saudades?

 

Espera aí, essa cadeia já existe! Chama-se Planeta Terra. Como não lembrei antes? Eu tinha saudades da tua pessoa. E matei a saudade de ti. Espero que não tenhas ficado chateada. Nem me denuncies à polícia por ser um assassino de saudades sem emenda. Obrigado.

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.