Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Tudo passa carago.

E melhor passa se tiver graça.

Tudo passa carago.

E melhor passa se tiver graça.

05.Mar.18

Sair da Zona de Conforto

Sérgio Ambrósio

Dizem-me que tenho muitas ideias. Sou um idiota. Francamente, estou convencido. Eu só fiz este texto para me servir de lembrete, porque como bom idiota que sou, esqueço-me que tenho de sair da zona de conforto.

 

Entrego-me de alma e coração para gente que, por vezes, nem tem alma nem tem coração. Sou bom conselheiro para os outros. Sou um idiota a tratar das dores do meu próprio peito.

 

Depois fico de ressaca. Quero sentir-me melhor e não consigo. Porque tenho muitas ideias óptimas para serventia de outros e idiotices múltiplas para usufruto próprio na arte de meter os pés pelas mãos, bem no âmago da trapalhada emocional do que sou.

 

Sou idiota convicto mas não me conformo. A esperança é a última a bater as botas. E eu quero ver se lhe dou as mãos quando for para nos lançarmos no precipício do desconforto.

 

É lá na zona. É lá na zona de conforto que tudo morre aos poucos. Que o coração deixa de palpitar, que as borboletas emigram para outro estômago, que o tédio se coroa rei na nossa cabeça.

 

A ruptura assusta como o caraças. Mas é ela que pode ferver o sangue para nos tornarmos mais felizes. E a vida não dura sempre, quando menos esperamos ela dá-nos um chuto na bunda. Por isso, é urgente ser-se idiota em benefício próprio, sob pena de se viver na monotonia desesperante.

 

Somos humanos, todos pensamos. Porém, às vezes, pensar só nos faz perder tempo. E viver é agir. A acção dita o poder. Posso espatifar-me por ter seguido o meu instinto, mas mais vale arrepender-me pelo que fiz do que por aquilo que nunca ousei experimentar.

 

A vida cansa. Recomenda caldos de galinha na hora de escolhermos onde gastar a energia emocional e social. Muitas vezes não podemos esperar que os outros mudem. Temos de mudar nós. Para nos desafiarmos nesta luta contínua que é a vida. Ser vítima não é opção num lugar onde a liberdade pulula desde 1974.

 

A vontade tem de ser maior do que o medo, só assim caem por terra os muros de arame farpado que simbolizam a zona de conforto. Viver é confrontar. Eu quero viver na zona de confronto. Por aí é que serei vizinho da felicidade. Cada desafio deve ser enfrentado para que a culpa não venha bater-nos à porta.

 

O mundo assusta quando perdemos a vontade de criar a liberdade para nós mesmos. Não tenho a certeza se estarei à altura, só sei que não posso ter medo de voar. Porque dentro da gaiola é certo que a vida não acontece. Porque viver é voar nas asas da liberdade.

32 comentários

Comentar post

Pág. 1/2